Muitas casas em uma

Com quantas camadas se faz uma casa contemporânea?
Seria mais fácil responder “com quantos paus se faz uma canoa?”. Mas podemos afirmar que são muitas, compostas dos mais variados materiais e com infinitas texturas!

Porcelanato, laminado, cimento queimado, pastilha, pedra, madeira, azulejo, louça,
grafite, mármore, bambu, tinta, pátina, pinturas especiais, tijolinho, concreto, vergalhão,
tela de galinheiro, aço, estampa geométrica, floral,
tribal, tapete, papel de parede, tecido, canjiquinha, corian, vidro, espelho, lambri, boiserie, tule de jouy, cobogó, mosaico, plotagem fotográfica, ladrilho, cerâmica, cortiça, treliça, ferro, aço corten, trompe-oeil, estuco, espelhos –
só para falar um pouco das inúmeras possibilidades de revestimentos que hoje compõem os projetos de decoração.


A casa contemporânea é, mais do que nunca, composta de camadas e texturas que vão muito além do tijolo e do emboço. São camadas de estilos, camadas de materiais, camadas de tempo…Sequências, colagens e sobreposições de incontáveis referências.

 

Estudos mostram que a vida das pessoas está cada vez mais multidimensional. E a era digital adiciona, a cada dia, ainda mais camadas ao mundo.
A casa reflete a complexidade informativa e existencial deste novo homem multifacetado, integrante da “sociedade líquida” de Zygmunt Bauman (*).

Steve Jobs define o design como “a alma fundamental de uma criação feita pelo homem que acaba de se expressar em sucessivas camadas externas”.

 

Aquela casa com paredes pintadas de branco, móveis e obras de arte, faz parte do passado. Com as novas tecnologias, o mercado produz, a todo instante, revestimentos incríveis! Fora as lembranças de viagens, mobiliários com design antigo e ultra moderno, referências culturais diversas…

Revestir - Muitas casas em uma

Mas como tudo o que faz parte do nosso imaginário pode caber numa casa?
As escolhas são difíceis. Mas o modo “mosaico” tem dado conta da questão.
Outro facilitador é a tendência de eliminar paredes que dividem ambientes para ampliar os imóveis.
Em seu lugar surgem as divisórias compostas de diversos materiais.

Muitas casas em uma

A internet encurtou a distância entre as culturas, as informações nos chegam em tempo real e são processadas por nós de uma maneira e numa velocidade galopantes. Ver nossos gostos refletidos faz parte de uma tendência que transforma a casa em um meio de expressão. Como consequência, a decoração vem com combinações ecléticas, juntando peças culturais e novas camadas.
Em síntese, o que vemos é essa liberdade de ser do indivíduo somada a um mega universo de possibilidades à disposição no mercado e nas redes sociais.

 

 

O curioso é que essa integração do mundo, ao invés de igualar as personalidades, acentua nossa individualidade porque nos abre um leque, cada vez maior, de novas opções.
Quanto mais informação recebemos, mais consciência temos de que podemos nos livrar de preconceitos e rótulos.

Muitas casas em uma

Qual é o seu estilo? Antigamente respondíamos: clássico, moderno, Provença.
Era isso ou aquilo. Agora, podemos ser isso mais aquilo quantas vezes julgarmos necessário para nos sentir bem. Queremos ser nós mesmos! Este é nosso verdadeiro estilo.
E cada um de nós é uma soma de influências histórias e referências que nos torna únicos.
Os elementos da decoração de nossa casa devem despertar sensações e sentimentos que nos agradam! É isso o que importa!

Claro que ainda vemos muita mesmice e decorações ainda presas a conceitos antigos do que é ou não “chic” ou “elegante”.
E isso também inclui formas sem graça de incorporar novos materiais.
A criatividade e o bom senso são fundamentais na hora de agregar os elementos!

Muitas casas em uma

Muitas casas em uma
Hoje podemos usar, por exemplo, uma estátua de São Jorge ao lado de um
sofá vitoriano sem problemas. E isso é maravilhoso!
Ou uma parede de grafismos em 3D ao lado de outra espelhada, com uma divisória de cobogó e outra de madeira! Wow!

Somos sim uma miscelânea, uma colcha de retalhos de memórias, de vivências, de imagens. Presente, passado e futuro, ao mesmo tempo.
Há uma simultaneidade temporal acontecendo. E os estilos se mesclam. A harmonia e o equilíbrio são as únicas regras.

Muitas casas em uma

Muitas casas em uma
Porém, um conselho que sempre dou é: não crie mais esta ansiedade de querer ver em sua casa um pouquinho de tudo o que você gosta e é.
Hoje em dia, tudo muda com uma tal velocidade que você também ainda vai mudar muito e rápido Esta tendência também vai passar e dar lugar a outra.
Na hora de compor a decoração, tente focar no que é sua essência, se é que podemos falar de algo mais duradouro em nosso tempo.

Muitas casas em uma

 

(*) O conceito de sociedade líquida ou modernidade líquida foi construído pelo sociólogo polonês Zygmunt Bauman, um dos mais influentes sociólogos. Refere-se ao conjunto de relações e dinâmicas que se apresentam em nosso meio contemporâneo e que se diferenciam das que se estabeleceram no que Bauman chama de “modernidade sólida”, pela sua fluidez e volatilidade.

 

(*) Autora – Veronica Fraga é jornalista e fotógrafa, designer de interiores da Repaginaria, organizadora de interiores, autora do Blog Um Brinco, que é Top 1 do TopBlog 2011, que premia os melhores blogs do Brasil.

Um Brinco – http://umbrinco.com  E-mail – veronicavfraga@gmail.com
Repaginaria:
https://www.facebook.com/veronicafragadecoracaodeinteriores